Noticias

 

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Programa Jovem Doutor Redes implementa estratégia para formação de estudantes em Santos

Dinâmicas presenciais e a distância contextualizam na prática os temas sobre saúde e corpo humano presentes nos livros didáticos

Alunos do ensino fundamental II da cidade de Santos são os próximos a participarem do Programa Jovem Doutor Redes, criado pela Disciplina de Telemedicina (DTM) do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina (FM) da USP. Atuando em parceria com as secretarias municipais de saúde e de educação da cidade, a FMUSP vai levar aos alunos um aprendizado vivencial, com experimentos práticos para melhor compreensão dos assuntos abordados nos livros didáticos. Os estudantes serão aproximados do conhecimento, que será transformado em cuidados com a saúde. Esta é a primeira iniciativa a contextualizar o aprendizado em sala de aula e levá-lo para a prática diária dos jovens.


Estudantes e professores do ensino fundamental II participaram do
evento de lançamento do Projeto Santos Jovem Doutor

No último dia 1º de junho, foi realizado o evento de lançamento do Projeto Santos Jovem Doutor, na Unidade Municipal de Ensino Pedro II, uma das 11 escolas contempladas nessa primeira fase. No total, 170 alunos dos 8º e 9º anos participarão das atividades, com mediação de 6 professores e de estudantes de medicina da FMUSP. O projeto é uma iniciativa da Coordenadoria de Controle de Doenças Infectocontagiosas da Secretaria Municipal de Saúde, que se uniu ao Programa Saúde na Escola e à Seção de Projetos Educacionais Especiais da Secretaria Municipal da Educação.

“Estamos incentivando o desenvolvimento de jovens com atitude, comprometidos em compartilhar os cuidados com a saúde aprendidos com seus colegas, familiares e com a comunidade em geral”, explica o professor Chao Lung Wen, idealizador do programa e chefe da Disciplina de Telemedicina da FMUSP. De acordo com ele, o aprendizado também alcança os jovens universitários. “Os estudantes de medicina, ao atuarem no programa, entenderão melhor as realidades das comunidades e como aplicar os conhecimentos aprendidos na faculdade para o bem da população, identificando necessidades específicas. Independentemente da idade do estudante, estamos formando cidadãos”.

Para a secretária de Educação, Venúzia Fernandes do Nascimento, “a iniciativa contribuirá para o aprendizado e a promoção de saúde entre esses jovens, que serão multiplicadores em suas escolas”. A aproximação das duas áreas foi destacada pelo titular da pasta de Saúde, Marcos Calvo. “É a grande virtude desse trabalho, que traz estratégias para atrair os jovens, envolvendo toda a comunidade escolar e potencializando as ações de saúde na escola”.


Alunos tiveram o primeiro contato com as estruturas
anatômicas do corpo humano feitas por impressora 3D

Santos está entre as primeiras grandes cidades brasileiras a incorporarem o Programa Jovem Doutor Redes como uma ação integrada entre educação e saúde. “Esperamos que Santos sirva de exemplo a outras cidades, instigando-as a trabalhar de forma a motivar os alunos a cuidarem do maior patrimônio de uma pessoa – a saúde e a qualidade de vida”, afirma o professor Chao.

O projeto envolve o treinamento dos professores nos temas que foram escolhidos em conjunto com a equipe da SMS de Santos, o uso de plataformas educacionais para aprendizado pela Internet e atividades presenciais. A DTM/FMUSP disponibilizará vídeos do Projeto Homem Virtual – criações em computação gráfica tridimensional que traduzem o conhecimento científico sobre o corpo humano, tornando-o acessível à população. O Homem Virtual permite que os alunos vejam como funciona o nosso organismo, de maneira simples e didática.

O Jovem Doutor estimula a criação de Espaços Culturais em Saúde, onde os alunos podem mostrar o que aprenderam. Além dos vídeos do Homem Virtual e de materiais desenvolvidos pelos estudantes, os espaços podem contar com estruturas anatômicas do corpo humano, impressas por impressoras 3D de baixo custo. A DTM/FMUSP disponibilizará os arquivos digitais para a impressão. Ao manusear cada peça, os alunos trazem para o mundo concreto aquilo que aprenderam digitalmente.

Os temas a serem trabalhados são de interesse dos estudantes: Doenças sexualmente transmissíveis (HIV, Sífilis, HPV, hepatites), puberdade, gravidez na adolescência, métodos contraceptivos, acne, saúde bucal, tuberculose, vida saudável, álcool, drogas e tabagismo. Ao final de cada capacitação, os alunos recebem um broche. Ao ingressar no programa, eles ganham jalecos e camiseta.

Projeto Jovem Doutor © 2015 | Provido pela Telemedicina USP